Copyright!

Olá amigo blogueiro!

Se quiser usar meus textos em seus blogs é necessário autorização prévia, já que possuem direitos autorais de copyright!

Se necessita de conteúdo em seu blog e necessita que alguém redija para você me contrate! Eu não sou careira!
abraços!

Denuncie! Plágio é crime:

https://www.espacoblog.com/2013/07/como-denunciar-plagio-ao-google.html

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Morar fora do Brasil - Entrevista com Gianni Carta

Divulgação
Entrevistamos o jornalista Gianni Carta que e é correspondente em Paris e autor de diversos livros.












SendoCy:  Onde você reside hoje? Há quanto tempo?
GC: Moro em Paris há dez anos. Cheguei aqui em 2004. No entanto, já tinha morado em Paris de 1990 a 1994.

SendoCy:  Morou em outros países antes deste?
GC: Sim, vivi seis meses a cada ano de 1980 a 1983 em Los Angeles, Califórnia, enquanto passava seis meses no Brasil; terminei o colegial no Dante Alighieri, em São Paulo, e na Hamilton High School, em Los Angeles. Depois mudei definitivamente para Los Angeles, onde trabalhei e conclui minha primeira faculdade, a UCLA, em 1987. Mudei para Nova York, onde fui tradutor do Wall Street Journal e trabalhei para o semanário IstoÉ até 1990. Em 1990 a IstoÉ me transferiu para Paris, onde fui correspondente e fiz um mestrado na sede da Boston University. Em 1994 mudei para Londres para trabalhar para a revista mensal européia GQ. E lá fiquei dez anos. Trabalhei para várias empresas internacionais de comunicações e para o semanário brasileiro CartaCapital. Em 2004 voltei para Paris com meus dois filhos, nascidos em Londres, e minha mulher polonesa. 

SendoCy:  O que você pensa sobre o país onde reside? Quais as vantagens e desvantagens com relação ao Brasil?
GC: Adoro Paris e a França. Vantagens? Cidadania. Pago impostos e me sinto cidadão. Meus filhos estudam em escolas públicas com nível jamais visto em escolas privadas no Brasil. O menu do almoço deles, na cantina, é colocado na porta da escola com recomendações para pratos para o jantar. As duas melhores amigas de minha filha são as filhas de um lixeiro e a outra de um banqueiro. Tenho acesso a uma biblioteca nacional, François Mitterrand, onde, via computadores, marco meu lugar para o próximo dia (ou para a data que quero), e seleciono periódicos e livros para tais datas. Almoço, janto ou tomo um café em qualquer esquina. O transporte público é fantástico. A opção de cidades, através do TGV, o trem bala, é incrível: Marselha, Montpellier, Nantes etc. Estou no centro da Europa e posso ir, via trem ou avião, para qualquer país com facilidade, um dado importante para um cidadão ou correspondente. Andar de moto, outro meio de locomoção meu, é um imenso prazer: os automóveis, motos, bicicletas e pedestres respeitam as leis de trânsito. Além de adorar me deslocar de moto, é um prazer passear ou ir a encontros de trabalho nessa cidade exuberante. Aliás, nada melhor que uma cidade romântica como Paris para sair com minha mulher. Voltamos de nossas escapadas a pé, ela sempre descalça. O Sena é uma maravilha de noite. Desvantagens? Poucas. Talvez fosse legal ter familiares para cuidar de nossos filhos durante as férias a dois. Mas eles já estão grandes, e podemos sair, minha mulher e eu, algumas noites. De qualquer forma, também é um prazer levá-los conosco. Ano passado passamos, a família inteira, passar duas semanas em Nice. Fomos de trem.
   

SendoCy:  Sente falta do Brasil? Amigos e família?
GC: Sinto falta da praia, do sol. Aqui, de setembro a maio o céu fica cinza. Mas faço esporte—corro, nado, musculação—e trabalho. Isso alivia o tempo feio. Vejos meus pais e irmã duas, três vezes ao ano, e falo com eles ao telefone com frequência. Voltei ao Brasil pela primeira vez para trabalhar em 2011. Parecia que nunca tinha saído de São Paulo. Os amigos, com algumas exceções, também porque quando adultos mudamos, estiveram todos presentes. Parecia que os tinha visto no dia anterior. As brincadeiras eram as mesmas.

SendoCy: Qual é o custo de vida para um casal com 2 filhos?
GC: Para um casal de classe média, o custo de vida em Paris não é mais elevado do que em São Paulo. Como disse acima, passamos seis meses em São Paulo em 2011, e pensei que iria economizar. Redondo engano. A diferença é que em Sampa você leva teus filhos para um shopping center ou um clube, ou quem sabe para o Parque Ibirapuera. Aqui, as opções são muito mais variadas. Os restaurantes em SP são caríssimos. Idem os apartamentos e tudo mais.

SendoCy:  É casado? De onde é sua esposa? Tem filhos? Onde nasceram? Em que idioma se comunicam
GC: Sou casado faz 15 anos. Minha mulher é de Cracóvia. Viveu na Espanha vários anos. Depois vivemos juntos em Londres e agora em Paris. Meus dois filhos nasceram em Londres, mas são mais franceses do que britânicos. Em casa, minha mulher e eu falamos em inglês. Idem quando os filhos estão presentes. Quando não estou presente, minha mulher fala em polonês com eles. E quando estou sozinho com os dois filhos (sem minha mulher) falamos em francês, e às vezes em inglês.


SendoCy: Qual o maior aprendizado de viver longe do Brasil trouxe a você?
GC: Cidadania. Quando vivi no Brasil, até 1983, estávamos sob a ditadura dos militares e elites. Detestava o sistema, embora tenha tido uma infância feliz. Detestava a escola, que defendia o sistema ditatorial, mas adorava os amigos (vários deles filhos das elites favoráveis ao sistema político), os esportes, a praia. Meu pai é italiano. Minha mãe é filha de galego. Portanto, sempre me senti, além de brasileiro, europeu. Em casa, desde pequeno, os almoços domingueiros eram diferentes: minha avó e tia-avó, ambas formadas em universidades italianas (incrível para a época; minha avó era de 1903), eram escritoras. Falavam sempre em italiano, sobre, entre outros, a desgraça de regimes autoritários como o de Mussolini (e o do Brasil). E discutiam, juntamente com meu pai e mãe, sobre arte, literatura, gastrononia, é claro. Eram verdadeiras aulas universitárias. Polêmicas não escasseavam. O pai de minha mãe falava galego quando queria falar português, caso contrário se exprimia em espanhol. Tenho passaporte europeu. De fato, aqui na Europa sou considerado europeu—e brasileiro no Brasil.

SendoCy: Voltaria a viver no Brasil?
GC: Nunca se sabe, mas em princípio pretendo ficar na Europa. Quando voltei ao Brasil, em 2011, não foi legal. Meus filhos não tinham a mesma liberdade de sair como aqui. O transporte público em SP é péssimo. O tráfico. A violência. A ausência de uma mídia para fazer o cidadão refletir é uma tragédia. Os despachantes, uma invenção ibérica. A arrogância das elites. A escassez de cidadania. Mas podemos ser felizes em quase qualquer canto do mundo. Gaza, onde estive várias vezes, é difícil ser feliz. Ainda mais agora com o genocídio perpetrado pelos israelenses. 

SendoCy: Você poderia sugerir um restaurante frequentado pelos parisienses e um passeio fora do circuito turístico?
GC: O Les Papilles, Au Moulin à Vent, L’A.O.C, três bistrôs fantásticos em Paris. Um bom passeio ? Aqui em Paris tudo é manjado. Tendo tempo, seria legal viajar para Nice, Marseille, Bayonne, Honfleur, Reims etc.

Gianni Carta & Cynthia Camargo no Café de la Paix


Você gostou desse artigo?

Inscreva-se e receba notícias, dicas, promoções e muito mais!

Cynthia Camargo é publicitária, agente de viagens, agente internacional e jornalista. Coordena viagens de arte, gastronômicas, de luxo e de incentivo pelo o mundo! Especializada no destino França, é autora do guia Paris Legal, editado pela Best Seller. Trabalha com o turismo de conteúdo há 20 anos e recebeu o prêmio Mulher Influente. Autora do blog de viagens SendoCy, conta suas experiências pelo mundo com dicas e muito humor! Acesse, leia e participe, se inscreva e conte suas histórias! Afinal, todo mundo tem uma história de viagem para contar! Google +