quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

O Espírito de Montmartre turístico

Montmartre é um bairro boêmio de Paris, recheado de muitas histórias desde a idade média, frequentado por cristãos, depois militares e a partir de 1860 por artistas.


O ideal é subir pelo famoso funiculaire e se perder pelas ruas do bairro que tem como ponto de referência a Basília de Sacre Coeur!


Perder-se pelo bairro de Montmartre é uma grande sensação. Esquecer o relógio, o mapa, o guia e o grupo....Vá embora mesmo!


Montmartre quer dizer (Monte do Mártir). O nome se dá por duas razões: Uma é que, provavelmente, o nome seja em homenagem aos mártires cristãos que foram mortos no local no ano 250. Mas há outra razão que contam os guias, sobre Saint Dennis: Dizem que ele foi degolado, pegou sua própria cabeça e saiu andando!

Seja de que forma for, o bairro foi ponto de encontro de Degas, Cézanne, Monet, Van Gogh, Renoir, Toulouse Lautrec, por conta da sua  animada vida noturna.

Gente, não é necessário tanto planejamento para viajar. Sério! Muitas vezes, o maior prazer da viagem e sair zanzando pelo destino, sem rumo mesmo! Na hora que sentir fome, sente-se em algum lugar que achar simpático e pronto! Tá com sede, cansado, em toda esquina é um bom motivo para uma parada!
Principalmente quando estamos falando de Montmartre. Você pode se sentir como:

Renoir
Picasso



Van Gogh

Todos retrataram a alma de Montmartre e como ela é contagiosa, basta dar os primeiros passos por suas alamedas, para contrair o vírus colorido que tomou conta destes artistas. 

Se eu fosse você, não deixaria de me sentar numa mesinha ao ar livre em alguma brasserie no alto de Montmartre, em um um belo dia de sol. E então pediria um champagne nacional mesmo e para acompanhar um belo terrine de salmão! Cheers!!




Mas se você faz questão de um dica, claro, eu vou falar da mais falada e cantada aos quatro ventos né? O Café da Amelie Poulin! Que tal se sentir como ela por alguns momentos?


O café é o Des Deux Moulins e fica no n. 15, rue Lepique!

O notório, difamado, libertário bairro de Montmartre foi exposto em Frankfurt, através das obras dos artistas que o imortalizaram. 



"ESPRIT MONTMARTRE
The Montmartre, however, was considered a microcosm for artistic self-perception that first found literary expression in Henry Murger’s novel Scènes de la vie de Bohème (1847–1849). The neighborhood soon attracted numerous artists who deliberately chose a bohemian life in impoverished circumstances on the margins of society – even though they often came from wealthy homes. Their new identity as voluntarily-involuntary outsiders was mirrored especially realistically and impressively in their art. The publication – by viewing the bohemian world on Montmartre from an art-sociological perspective and taking the social and historical contexts into account – clearly reveals how remarkably the myth and legend of the quarter differed from its reality. ‘Esprit Montmartre’ shows the true life of its inhabitants far from the usual clichés. The artists’ works are moving, sensual, and rousing, and their subjects and pictorial ideas, materials, and stylistic solutions essentially anticipated the artistic developments of Modernism"










Você gostou desse artigo?

Inscreva-se e receba notícias, dicas, promoções e muito mais!

Cynthia Camargo é publicitária, agente de viagens, agente internacional e jornalista. Coordena viagens de arte, gastronômicas, de luxo e de incentivo pelo o mundo! Especializada no destino França, é autora do guia Paris Legal, editado pela Best Seller. Trabalha com o turismo de conteúdo há 20 anos e recebeu o prêmio Mulher Influente. Autora do blog de viagens SendoCy, conta suas experiências pelo mundo com dicas e muito humor! Acesse, leia e participe, se inscreva e conte suas histórias! Afinal, todo mundo tem uma história de viagem para contar! Google +