terça-feira, 3 de junho de 2014

Os tesouros escondidos no Palais Royal...




É provável que você não tenha entrado aqui. Um oásis bem no centro de Paris, as vezes dá a impressão de um local esquecido, mas nunca pelos locais que aproveitam o sol, as flores e o ambiente para descansar, ler um livro, namorar...
Mesmo assim, há sempre pouquíssima gente por aqui.

Palais Royal, construído em 1613, abriga a Comédie Française, o Ministério da Cultura, o Conselho de Estado e o Conselho Institucional.







O Palais nunca foi real. Propriedade do Cardeal Richelieu que pretendia ficar próximo ao Louvre, então residência oficial dos reis, o Palais era chamado de Palais-Cardinal. Com a morte do Cardeal, a propriedade passou às mãos do rei Luis XIV, que deu de presente ao seu irmão. 



Passado de mão em mão até que um dos herdeiros reais, Louis-Philippe, decide por uma especulação imobiliária, transformando o entorno dos jardins com as galerias Montpensier, Beaujolais e Valois, constituindo 60 espaços para o comércio, com 4 andares em 3 lados do jardim. 

A ideia era alugar o térreo para o comércio e os andares superiores para moradia, tendo dois ilustres moradores Colette (1873-1954) e Jean Cocteau (1889-1963).



O jardim do Palais Royal é emoldurado por arcadas, simetricamente bem dispostas, em três galerias que hoje, oferecem algumas lojas como a de Marc Jacobs, Stella McCartney, Didier Ludot, brechós de luxo com achados incríveis, além de cafés e restaurantes.


Em ritmo totalmente low profile, os jardins do Palais Royal mantém uma serenidade para ser e estar dificilmente encontrada em uma grande metrópole, até mesmo para as refeições e para as compras. 

Você nunca irá encontrar burburinho em nenhum café e nem mesmo na Marc Jacobs. A impressão que sem tem é que o local é secreto, escondendo seus tesouros...


Destaco aqui dois deles e o resto deixo que você descubra em sua próxima caminhada perto do Louvre...














Le Grand Véfour
O primeiro tesouro daqui é o restaurante histórico Véfour. Um joia, genuína, da arte decorativa do século XVIII, que permanece como um local de alta gastronomia da vida política, artística e literária, há mais de 200 anos!




Antigo Café Chartres, onde Napoleão e Josephine costumavam jantar, Jean Véfour o transforma em um suntuoso restaurante, que passa a levar o seu nome. Porém, em homenagem ao antigo café, a placa com seu nome permanece na fachada, voltada para o jardim:



Em meados de 1830, Victor Hugo tinha mesa cativa no restaurante e nos anos 40, nomes como Sartre, Simone de Beauvoir e André Malraux ajudaram a eternizar o brilho do lugar,  até hoje um dos epicentros da vida parisiense.


 Apesar do nome, brilho, decoração, história, os pratos não ficam atrás, tornando o Le Grand Véfour uma experiência sensorial do mais elevado nível.


Ao passar pela porta, somos levados 200 anos de volta no tempo! Decorado com painéis esculpidos, delicadas guirlandas ao estilo Luis XVI. Espelhos e pinturas protegidas por vidros, afrescos de Pompéia em estilo neo-clássico com desenhos de peixes, flores, mulheres com cestos. O teto e piso em guirlandas e alegorias bem ao estilo italiano do século XVIII.  


Serge Lutens
Outro tesouro guardado nestas arcadas é completamente o oposto do restaurante histórico. Trata-se de um espaço com um ambiente onírico, criado pelo escritor, fotógrafo, designer e perfumista Serge Lutens, que buscou o Palais Royal, como o seu reduto para a sua loja conceito.

A boutique parece um cemitério sofisticado. Iluminação, peças, vitrines - que mais parecem túmulos - que pedem uma visita! Apesar de seus perfumes serem vendidos em grandes centros comerciais de Paris, comprar nesta boutique, confere uma experiência fantasiosa e cenográfica!  



Você poderá apreciar também:

Vitrine da loja Le Petit Robe Noir de Didier Ludot

Você gostou desse artigo?

Inscreva-se e receba notícias, dicas, promoções e muito mais!

Cynthia Camargo é publicitária, agente de viagens, agente internacional e jornalista. Coordena viagens de arte, gastronômicas, de luxo e de incentivo pelo o mundo! Especializada no destino França, é autora do guia Paris Legal, editado pela Best Seller. Trabalha com o turismo de conteúdo há 20 anos e recebeu o prêmio Mulher Influente. Autora do blog de viagens SendoCy, conta suas experiências pelo mundo com dicas e muito humor! Acesse, leia e participe, se inscreva e conte suas histórias! Afinal, todo mundo tem uma história de viagem para contar! Google +