segunda-feira, 14 de julho de 2014

O Parisiense - curiosidades


Atendendo a pedidos, iremos falar sobre o estilo de vida dos Parisienses e suas curiosidades. Afinal, é comum querer saber como são estas pessoas que tem a sorte de viver na cidade mais linda do mundo.

Usei as ilustrações da artista plástica Kanako, que vive em Paris desde 2005, colorindo o site My Little Paris

Ela consegue captar tão bem o estilo parisiense que, em 2013, foi convidada pela Prefeitura de Paris a fazer uma exposição com 48 affiches espalhados pela cidade. 

Ela retrata o cotidiano e personalidade parisiense com muito humor e sensibilidade.

Apesar de ter amizade e trabalhar com eles, há mais 20 anos, fiz uma pequena enquete com alguns parisienses "da gema" para não oferecer apenas o ponto de vista de uma brasileira escrevendo e uma japonesa ilustrando.

É claro que isto é uma generalização bem humorada.    

 Ok, em primeiro lugar, esqueça todos os lugares que você visita em Paris. Esqueça. Não há nenhum parisiense na Champs-Elysées, depois das 9 da manhã. Eles têm o costume de fugir de pontos turísticos.

Se quiser ver alguns exemplares, talvez os encontre no Canal de Saint Martin. Nunca nos barcos, mas sim às margens do canal.

fashion illustration fashion art girl art by HausofArtbySchirin
O parisiense é chique de berço. Naturalmente elegantes não necessitam de muita produção. 
foulard, usado por homens e mulheres, é o acessório obrigatório que confere cor e emoldura o rosto.



Talvez óculos Prada (italiano) e um trend coach Burberry (inglês) podem ser utilizados na produção, mas marcas famosas não fazem a cabeça de um parisiense. Você nunca os verá com uma bolsa Louis Vuitton, por exemplo.

Os parisienses não ostentam. Pior, pega até mal querer mostrar a marca que usa. Elegância não tem nada a ver com as marcas francesas que fazem mais sucesso com turistas. A elegância, simplesmente, é saber compor o look.

A vaidade está no intelecto e a importância está no “ser” ao invés do “ter”. Ser elegante faz parte deste código.

Não são adeptos a decotes, saias curtas, silicone, lipoaspiração e megahair. Mas a silhueta é um fator muito importante. Faz parte da elegância não se sentir obeso, nem em sonho. Apreciam muito a boa gastronomia, mas nunca mais do que o peso ideal.

Usam os cabelos curtos ou nos ombros para manter a elegância e chamar a atenção para a silhueta e se, por acaso, casos raros, possuem cabelos longos estão sempre presos para harmonizar o look


Seios grandes chega a ser um insulto que compromete a elegância terrivelmente. Mesmo assim, não se pode dizer que não são atraentes e irresistivelmente sexys sem ter que mostrar ou insinuar absolutamente nada. 

Homens estão sempre com as camisas impecáveis, com camisetas básicas por baixo para compor melhor e sim, ainda usam a malha nos ombros.

Parisiense descomplica a vida quando o assunto é locomoção. Andam muito. Fazem tudo o que podem a pé. Usam e abusam do metrô e ônibus e, até mesmo, da bicicleta.


Quando o assunto é profissional ou for um convidado à casa de alguém são extremamente pontuais. Já se for para encontrar alguém na rua, informalmente, para um drinque, esqueça! Relaxe que uma hora eles aparecem.


O entretenimento é extremamente cultural. Exposições, operas, museus são tão importantes para eles como as nossas novelas são para nós. São absolutamente viciados em leitura. É um hábito criado desde cedo e um dos maiores prazeres, além da boa gastronomia. 


São extremamente bem informados sobre política e tem posições muito firmes.  

Não compram muita coisa no supermercado, pois não saem de carro e vivem de forma compacta. O Carrefour mais próximo é na estrada. Mas flores em casa é item obrigatório!

Não possuem área de serviço em casa ou no apartamento. A máquina de lavar e secar roupa fica na cozinha ou no banheiro. Alguns prédios possuem a lavanderia comunitária. Quando morava lá, eu não tinha máquina, portanto, carregava uma mochila do meu tamanho até a lavanderia self service do bairro. Também não havia elevador no meu prédio e eram quatro andares carregando "o morto", como eu chamava minha trouxa de roupas.

Geralmente o WC é separado do banheiro, chamado de sala de banho. O vaso sanitário fica isolado em um micro cômodo.

Possuem regras sociais bem determinadas como: Nunca aparecer na casa de alguém sem ser convidado. Se for convidado, chegar, exatamente, na hora marcada. Nem um minuto antes e nem um minuto depois. Perguntam, imediatamente, o que devem levar, assim que for convidado.


Se você for hóspede de um francês, não discuta, é norma de casa dar a cama dele para você! Nem que isto signifique que ele durma no chão.

Se for convidado para um jantar, o anfitrião deve apontar os lugares à mesa e esqueça de querer sentar-se ao lado de seu cônjuge. Nunca se senta ao lado do acompanhante. Se você for convidado a sentar-se à direita do anfitrião, você é o convidado de honra.

Nos restaurantes vem somente o pão e, às vezes, a manteiga. O queijo é ao final de tudo e eles conhecem os 365 tipos de queijo. Com os olhos já sabem a origem. 

O mesmo com os vinhos. Não, não! Não fazem cursos para entender sobre vinhos. Conhecem naturalmente e a impressão é que já nascem sabendo!

Pão também é uma coisa muito séria. Parece que há um tipo de pão para cada tipo de queijo e ao sair do trabalho dois lugares são obrigatórios: um happy hour para “un verre” (tomar um drinque) e a boulangerie para chegar em casa com a baguette.

Os cumprimentos são feitos a base de 4 beijos e os homens também tem o mesmo costume entre eles. Isto no caso de serem amigos e mais velhos (tradição que ainda é mantida fora de Paris). Já os mais jovens economizam e usam apenas 2 beijos. Fora isto, no máximo um aperto de mão. Não gostam de toques sem ter intimidade. Mesmo sendo íntimos não costumam demonstrar em público. Por mais que seu amigo francês goste de você ele nunca demonstrará fisicamente e se você der um abraço apertado ele não irá retribuir com gosto. 

Aliás, a formalidade é uma questão de educação e respeito. Mesmo que você esteja se dirigindo a uma criança, se não tiver intimidade, o tratamento é “vós”(vous), “senhor”e “senhora”; nunca um simples e íntimo demais, “você” (tu). Chega a ser vulgar, a não ser que seu interlocutor lhe dê a autorização para dispensar a formalidade.

Estão sempre com muita, muita pressa! Todos. Quando você telefona, logo depois do “alô”, já avisam que estão sem tempo e super ocupados (Não se incomode, é praxe, vá em frente). Andam nas ruas muito rápido, quase correndo, e é difícil acompanhar a maratona. Comer, então, parece uma disputa para ver quem acaba antes. Diria que eles não comem, devoram! Isto é amenizado no happy hour ou jantar, mas no almoço é em estilo "alta velocidade"!


Por conta desta pressa absurda, nunca pare ao lado esquerdo da escada rolante. Nenhum parisiense fica aguardando a escada leva-lo para cima ou para baixo, portanto, já que você está a passeio, permaneça à direita ou será atropelado ou insultado.



Tudo tem que ser planejado e constar em um script imaginado por eles, sem ter entregue uma cópia (deste script) para você. Portanto, se você não obedecer ao protocolo, que só eles conhecem, o tempo fecha e o caos se instala. Se quiser ir em frente com a discussão desça do salto, mesmo! Nem que seja para acabar com o discurso e sermão, nada agradável, que você terá que enfrentar por ter desobedecido às regras imaginárias. Do contrário, deixe pra lá!



Se entrar em um café e sentar-se à mesa de quatro lugares, ainda que o café esteja vazio, você será convidado (intimado) a sentar-se em outra. Se você tinha a intenção de pegar a melhor vista, esqueça. E não reclame do serviço, jamais, a não ser que esteja disposto a travar uma batalha. Do contrário, simplesmente. não deixe gorjeta!



Tudo tem hora marcada e tudo é planejado com antecedência e se você aparecer ou telefonar de última hora, eles lhe dizem um “não” com uma naturalidade desconcertante que faz você questionar o dia em que nasceu!


E não é por conta do estresse (que não é estresse para eles) do corre-corre que eles não têm disposição para um happy hour, depois do trabalho, seguido de uma exposição, esticando a noite em uma balada. Estão sempre dispostos a baladas e se recuperam no parque.


Ar livre, para eles, é uma questão de sobrevivência. Detestam ar condicionado. Detestam mesmo. Mesmo com sol a pino e o calor de fazer transpirar até debaixo das unhas, eles escolhem a mesa do lado de fora para almoçar....Precisam do sol, precisam do ar livre, como precisamos respirar.



Todos saem em férias em julho e agosto. Todos. Isto é sagrado. Muitos estabelecimentos, simplesmente, colocam uma placa na porta avisando que estarão fechados o mês inteiro. Sem a menor cerimônia. 

É tão natural e tão comum aproveitar o verão que ao sair de um estabelecimento, ao invés de dizer apenas um "au revoir, merci!", lhe desejam "Bonnes Vacances" porque, para eles, é improvável que, em algum momento do verão, você não vá para algum lugar...

Aliás, voltando ao assunto dos cumprimentos, você não deve nunca começar uma conversa com um simples e mero "por favor".... Antes disto vem: " Bonjour Madame/Mousieur", assim como sem chance de terminar uma interação com alguém com um simples "merci". Jamais! "Merci Madame/Monsieur et au revoir, bonne aprés-midi, bonne soirée, bon soir, bonne nuit...". Cordialidade é a senha!

Esta questão de viajar há controvérsias sobre a bagagem. Os parisienses que conheço, tento morder o cotovelo de tanta inveja quando vejo a mala, para uma viagem de 15 dias. 

Tenho uma afilhada francesa que veio para São Paulo, para duas semanas, com uma mochila. Além das roupas, ainda havia os presentes para a família toda!! Eu não entendo como conseguem ser elegantes até neste ponto, porque vamos combinar que é muito deselegante sair carregando várias malas, né? Enfim...

Digo controvérsias por conta de um dos affiches da Kanako.... Eu, particularmente, nunca vi um parisiense viajando assim...Mas fica aqui registrado os dois pontos de vista!! 

"Ser parisiense, não é ter nascido em Paris...É lá ter renascido!"

Finalmente e resumindo a questão, apesar da pouca habilidade para o improviso e o excesso de formalidade protocolar, percebo que os parisienses se relacionam bem com o hedonismo, pois sabem, como ninguém, apreciar e desfrutar as boas coisas da vida com uma elegância fora do comum!!

Para terminar este post, muitos que me pediram para falar sobre as curiosidades dos parisienses, me pediram também indicações sobre os lugares que costumam frequentar...


Farei um post completo sobre estes lugares, mas por enquanto, deixo aqui algumas indicações onde encontrar parisienses em Paris:


Para saber mais sobre as ilustrações da Kanako e descobrir mais lugares secretos dos parisienses, visite o site My Little Paris !

Por enquanto, Au revoir!

  Merci, mille fois, Kanako! 



Você gostou desse artigo?

Inscreva-se e receba notícias, dicas, promoções e muito mais!

Cynthia Camargo é publicitária, agente de viagens, agente internacional e jornalista. Coordena viagens de arte, gastronômicas, de luxo e de incentivo pelo o mundo! Especializada no destino França, é autora do guia Paris Legal, editado pela Best Seller. Trabalha com o turismo de conteúdo há 20 anos e recebeu o prêmio Mulher Influente. Autora do blog de viagens SendoCy, conta suas experiências pelo mundo com dicas e muito humor! Acesse, leia e participe, se inscreva e conte suas histórias! Afinal, todo mundo tem uma história de viagem para contar! Google +