terça-feira, 11 de novembro de 2014

A brasileira que virou Irlandesa!


Marcia Mendonça emigrou há 15 anos e hoje mora na França depois de ter vivido na Irlanda e na Itália

Formada pela Universidade Mackenzie em Arquitetura e Urbanismo, ela também possui um mestrado em Desenvolvimento Sustentável pelo Instituto Tecnológico de Dublin

Ela fala 5 línguas e trabalha com vendas e administração de bens na Loreto Immobilier em Paris, dando assessoria à uma clientela internacional, incluindo brasileiros. 

Ela nos conta sua trajetória profissional nesses anos todos que morou fora.

 Sendocy: Por que você foi embora e há quanto tempo?
M.M.: Em 1999 eu tive uma oportunidade de visitar a Irlanda à passeio e me dei conta de que o país estava em pleno boom econômico, com uma taxa de crescimento equivalente aos países asiáticos por isso era chamada de Tigre Celta. 

Como eu havia acabado de me formar, enfrentava alguma dificuldade de me inserir no mercado de trabalho brasileiro, resolvi então tentar minha sorte e me transferi para a Irlanda, que na época estava sendo inteiramente reconstruída e era possível se conseguir um visto de trabalho aberto, ou seja, eu podia trabalhar onde quisesse desde que fosse na minha área. 

A ideia era de passar no máximo um ano para aprender inglês… Nunca mais voltei ao Brasil, somente a passeio. Após 7 anos de vistos consecutivos, eu solicitei a naturalização e fui aceita como cidadã irlandesa. Hoje em dia este processo está um pouco mais difícil, sobretudo mais longo, mas não impossível.

SendoCy: Onde morou e onde mora atualmente?
M.M.:Comecei minha experiência na Irlanda onde morei e trabalhei como arquiteta por 12 anos.

Depois me transferi para a Itália e hoje estou na França onde moro com minha família recomposé como se diz por aqui. 

Tenho dois filhos; o mais velho de um primeiro casamento é ítalo-brasileiro, a caçula é franco-brasileira.




Sendocy: Qual o seu trabalho hoje em dia?
M.M.: Atualmente me ocupo de negociações e transações imobiliárias na Europa, além de continuar exercendo minha profissão numa escala menor; dou assistência e presto serviços à investidores internacionais que compram imóveis na França e querem reformar ou renovar.  

Sendocy: O que você aconselha aos brasileiros que gostariam de viver, comprar um imóvel, investir, reformar...é muito complicado? Muito caro?
M.M. Acho que essas perguntas dariam um livro! Risos!

Vou responder do ponto de vista prático: cada vez mais vejo brasileiros adquirirem bens na França, Itália, Portugal, Espanha, Inglaterra, EUA e em muitos outros países. 

O perfil do comprador brasileiro também mudou. Hoje em dia o brasileiro faz parte do círculo de investidores internacionais com um portfólio de propriedades em localidades chave, onde o investimento imobiliário é seguro, privilegiando destinações turísticas com as quais se identificam, seja do ponto de vista cultural ou econômico. Entre elas Paris, New York, Miami, Londres, Roma, Lisboa, Barcelona, as costas meridianas da Europa, além de muitas localidades da América Latina. 

Também pude constatar que, antes de cruzar o Atlântico, o investidor brasileiro já possui propriedades pelo Brasil, países do Mercosul e Estados Unidos.

O valor imobiliário segue a tendência do mercado financeiro, mas é claro que os investidores não são bobos, sabem quando um imóvel está over priced, ou seja, com valor acima do mercado. Muitos tentam se beneficiar da atual conjuntura, os preços abaixaram consideravelmente após a crise de 2008, mas algumas localidades como Paris e Londres resistiram com pouca desvalorização, salvo exceções. Já outras capitais europeias viram o preço de seus imóveis caírem vertiginosamente. E os brasileiros fazem a festa.

Sendocy: Quanto custa o metro quadrado em Paris? Dá para reformar?
M.M.:Paris é, assim como Londres e New York, uma meta internacional de investimento onde estão em jogo outros fatores e não apenas o mercado imobiliário nacional. 

Em Paris o preço do metro quadrado varia de região para região entre €8mil/m2 e €16 mil/m2, mas as áreas mais nobres apresentam um valor muito atraente se comparadas às áreas semelhantes de São Paulo e do Rio de Janeiro, sobretudo quando se leva em consideração os serviços aos quais se tem acesso por aqui. A qualidade do imóvel, condição, característica arquitetônica e localização fazem parte da avaliação como em qualquer lugar. 

Por conta disto permanecem imbatíveis o famigerado Saint Germain de Prés e o Marais onde se encontram imóveis com valor histórico, seguidos pelo Quartier Latin, a área em torno da Torre Eiffel e o centro próximo ao Louvre. Perdeu-se um pouco o interesse pela região de Montmartre e os entornos da Champs Elysées.

Quem compra sempre quer adaptar o imóvel ao seu estilo e exigências pessoais. Aqui na França é muito comum ter apenas um vaso sanitário mesmo em se tratando de grandes propriedades, e geralmente ele fica instalado num espaço fora da sala de banho; os brasileiros torcem o nariz pra isso, e eu também, risos!

Eu procuro orientar à não modificar muito certas características originais como pisos, molduras e marcenaria, é importante valorizar elementos históricos que só existem aqui. Isso faz parte do respeito pela tradição desse lugar, afinal é isso que faz de Paris uma cidade tão charmosa e encantadora.

SendoCy: E a papelada? Burocracia? Impostos? Herança? Imóvel ainda é um investimento na França?
M.M. Apesar dos brasileiros acreditarem que o Brasil seja o país mais burocrático do mundo, na minha opinião desconhecem que a França e a Itália são imbatíveis no quesito. 

Sim, há muita burocracia, mas é justamente através de uma boa assessoria jurídica e fiscal através de profissionais competentes que estas dificuldades desaparecem.

Imóvel é sempre um bom investimento, é preciso perspicácia para saber onde e quando investir.

Sendocy: O custo de vida é muito elevado?
M.M.:Custo de vida é relativo ao benefício que se tem em troca do que se paga. Se você paga impostos e ainda precisa pagar à mais para ter educação, saúde e cultura, o custo de vida é elevado. 

Mas se você possui um sistema onde todo mundo paga a sua parte mas sobretudo onde o estado faz a sua parte, onde os transportes funcionam, onde a segurança pública é eficiente, e ainda tem acesso à informação e divertimento, nesse caso, o custo de vida é justo.

Sendocy: Do que você sente falta no Brasil?
M.M. Minha família! Mãe, pai, irmãos e amigos.

SendoCy: Voltaria para o Brasil um dia?
M.M. Difícil responder esta pergunta. Acho que tudo é possível, basta estarmos motivados. Já tive oportunidades mas não achei que era a hora, então, vou ficando por aqui...





Para receber assessoria da Marcia Mendonça mande um email para: marcia.loretoimmobilier@gmail.com ou por telefone +33 6 4889 7481

Você gostou desse artigo?

Inscreva-se e receba notícias, dicas, promoções e muito mais!

Cynthia Camargo é publicitária, agente de viagens, agente internacional e jornalista. Coordena viagens de arte, gastronômicas, de luxo e de incentivo pelo o mundo! Especializada no destino França, é autora do guia Paris Legal, editado pela Best Seller. Trabalha com o turismo de conteúdo há 20 anos e recebeu o prêmio Mulher Influente. Autora do blog de viagens SendoCy, conta suas experiências pelo mundo com dicas e muito humor! Acesse, leia e participe, se inscreva e conte suas histórias! Afinal, todo mundo tem uma história de viagem para contar! Google +