quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Informativo aos Viajantes

Informativo aos viajantes

Percebo, em diversos grupos de viagem, do Facebook, Instagram, Whastapp, uma quantidade sem fim de pessoas indicando a outros viajantes para não consultarem um Agente de Viagens e ando assustada!
- Não compre com agência. É 30% mais caro;
- Não há necessidade de passar por agência;
- Não precisa de agente para nada;
- Faça você mesmo;
- Busque sozinho;
- Faça tudo pela internet;
- Você ficará preso em um itinerário etc, etc, etc...;
- Não precisa de seguro para viajar, nunca me pediram nada!

Por isto e, portanto, decidi fazer este post explicando alguns pontos:
Um viajante tem perfil, personalidade, temperamento, disponibilidade, grau de conhecimento, grau de aventura, grau de orçamento e bagagem (de vida). Este é o quesito número um para a escolha de um formato de viagem:

O PRÓPRIO VIAJANTE! Intransferivelmente ele próprio!



Suas necessidades, seu momento de vida, suas expectativas, desejos, vontades e forma de ser. Isto é o que deve ser respeitado. 

Portanto, se você é um viajante, do tipo marinheiro de primeira viagem ou do tipo descolado, peço um minuto de sua atenção para explicar, de uma vez por todas, os formatos de viagem: 

1 – O QUE É UMA EXCURSÃO

     Excursão é uma viagem em grupo com um guia correio (acompanhante que cuida da burocracia, horários, planejamento, check in, check out, ingressos....) e o guia local (credenciado pela prefeitura da cidade para lhe contar a história do lugar, monumentos e as obras dos museus). Nesta excursão há horários que devem ser respeitados, um cronograma a seguir e o compartilhamento desta experiência com outras pessoas. É mais em conta do que outras viagens. Bem mais em conta. O operador consegue bons preços, e tem poder de barganha, conquistado pela quantidade de pessoas para quem ele vende o mesmo pacote. Os custos com o motorista de ônibus e os guias são rateados por um número maior de pessoas e os hotéis e cias aéreas oferecem preços melhores para quem vende muito.

      É bom? Depende. Para alguns é maravilhoso. Para outros é péssimo. Para uns é a única forma, para outros apenas a primeira vez! Depende do perfil da pessoa. Só!!!!! Não é nem bom e nem ruim. É um produto oferecido no mercado com vantagens e desvantagens.

2 – O QUE É UM PACOTE

Um pacote é uma viagem que, apesar de não ser excursão, mas individual, já está todo traçado. Já tem data, horário, hotel e passeios pré-definidos. Não tem guia correio/acompanhante, mas tem transfers, guia local para um city-tour, por exemplo. Basta pagar o pacote e ir. Já está tudo agendado. 

É bom? Depende. Qual a diferença da salsinha inteira e fresca no mercado da já lavada e picadinha? Depende da sua disposição em aceitar o tamanho do corte da salsinha e acreditar que está bem lavada ou decidir lavar e picar você mesmo. Comida congelada ou preparada na hora? Novamente, depende da sua disposição. Se não gosta de picar a salsinha, pague por alguém que pique para você. De novo, não é ruim e nem excelente. Há vantagens e desvantagens. Mas é você quem decide. Geralmente o preço é ótimo porque é pela quantidade, apesar de você não estar em excursão, o mesmo hotel é vendido para bastante gente e vc consegue um preço bom!

É claro que se você comprar sozinho um hostel, pegar um voo com escalas e pegar o metrô ao chegar ao destino, será bem mais barato que o pacote! 



3 – O QUE É UM FORFAIT

É um roteiro personalizado, desenhado exclusivamente para VOCÊ!. É você quem decide quando vai, que dia vai chegar, qual Cia aérea, com ou sem escalas, com ou sem transfer, com ou sem city-tour, quais passeios quer ou não quer, categoria de hotel, localização, preço, com ou sem serviço, com ou sem guia e quando pretende voltar pra casa. Tudo é escolhido pelo próprio viajante e o Agente vai atrás de melhores preços e volta com um orçamento com duas ou três opções de datas, hotéis, passeios e algumas sugestões, além de aconselhamentos:

----- GRÁTIS----

Não, vc não paga nada para alguém traçar este roteiro e orçar os melhores preços e condições para você. Roteiro e aconselhamento gratuitos. Pesquisas e orçamentos gratuitos.

Vantagem? Todas, se o viajante tem o perfil de não querer se preocupar com nada.

Vantagem dois? Poderá ter o whatsapp de seu Agente de Viagem que irá resolver seus "pepinos" durante a viagem, caso eles apareçam. Ou seja, você tem alguém lhe assistindo antes, durante e depois.

Desvantagem? Sinceramente, eu não sei responder se há alguma, até porque se o orçamento vier mais caro, do que o que você viu na internet ,você pode perguntar se é possível cobrir a oferta que você encontrou. Vai que dá? Se não der, você ganhou dicas, aconselhamento, roteiro detalhado de graça.Se ficar muito mais caro, simplesmente não feche o roteiro com ele.  

Se fechar com o Agente, saiba que ele recebe 3% de comissão da Cia aérea, as vezes 2%, às vezes nada, mas ganha comissão na parte terrestre. A comissão vem dos hotéis, dos operadores e passeios. 

Fechando o roteiro com o Agente, você paga uma vez só, para uma empresa só, os bilhetes, taxas, hospedagem, passeios, seguro viagem, transfers, guias...E sai com os vouchers em mãos e passa o cartão uma vez só e parcelado, muitas vezes em 10x.

Você mandou cortar a salsinha do tamanho e formato que desejou! 

4 – SOZINHO PELA INTERNET

            Oferta na internet não falta. Para quem curte planejar sua própria viagem, virou um parque de diversão. Isto depende de temperamento, habilidade, conhecimento em navegar, paciência, disponibilidade, gosto e curtição. Fará 3 ou 4 orçamentos de seguro viagem, olhará a resenha de uns 20 hotéis, buscará dicas e testemunhos no Trip Advisor, comprará ingressos em vários blogs, sites e operadores de lá e de cá. 

Desvantagem: Depende. Se você não gosta disto, não tem paciência, não sabe e tem raiva de quem sabe, só há desvantagens. Gera estresse, insegurança e ansiedade. Além disto, a responsabilidade sobre os imprevistos não será compartilhada com ninguém mais.

Vantagem: Se for o seu perfil, se gosta e tem habilidade, terá todas as vantagens do faça você mesmo e ainda conseguirá boas promoções.

Existe oferta para todos, produtos e serviços para todos os perfis, mas você tem que encontrar o seu, além de respeitar o perfil alheio não dando palpites, neste caso em específico. 


Riscos? Sim, existem. A operadora pode quebrar, falir, o dono morrer, ser estelionatário e fugir. O Agente de Viagem poderá lhe empurrar um pacote chato porque ele tem que cumprir meta. O hotel errar na reserva, o voo pode ser cancelado e o mundo pode acabar. O guia pode ser de mentirinha e te contar um monte de bobagens e o transferista poderá dar o cano. É. Acontece! Com ou sem Agente de Viagem.

Para isto, há os grupos de viagem em redes sociais, para tirar informação, pedir dicas e testemunhos, tem o Reclame Aqui, tem o Trip Advisor, tem o seguro viagem. Aí sim, toda a informação é válida e excelente, desde que não diga ao viajante o que ele deve fazer. Dicas de hotéis, restaurantes, passeios e até compartilhar perrengues e furadas é tudo absolutamente válido. Só não é válido impor o seu perfil a um estranho e indicar que ele burle leis porque ninguém pegou você! 




5 – BLOGS



Outro dia, li que somente os que falam de Paris são 2 milhões de blogs no mundo. Imagine ler dois milhões de blogs para ver se dá para subir no Arco do Triunfo e quais os barzinhos que os parisienses frequentam? É válido? É, sim. Outras vezes, não.

Se o blogueiro tem a real intenção de te ajudar e tem prazer em descrever a experiência dele, não como a única válida e superior, mas apenas a que ele teve, eu acho ótimo, válido, pertinente.

Já outros escrevem qualquer coisa, já que a intenção é que você reserve alguma coisa com ele. Daí não passa de qualquer coisa e você não passa de um $. Outros, nem ao menos geram conteúdo, copiam e colam o conteúdo alheio, a foto alheia, a experiência, vivência e bagagem que ele nunca teve. Eu lamento! Sinto vergonha alheia e me desculpo pela classe que, em um primeiro momento, trouxe tanta luz para roteiros engessados e viciados, até que oportunistas descobriram uma forma de ser um "profissional" só porque não passa de um turista, mas visitou primeiro que você!

6 – GRUPOS TEMÁTICOS

Há no mercado, também, a formação de pequenos grupos de viagem (10-15 pessoas) que se unem por um tema: viagem gastronômica, de arte, de solteiros, de cinquentões, de bebedores de uísque, de mulheres, de amantes de futebol, de história, arquitetura, compras... Seguem um roteiro pré-determinado, em geral com base no tema da viagem. Possuem guias correio, guias locais, Tour Leader (professor, chef de cozinha, sommelier, filósofo...). 

São viagens mais caras do que um pacote comum porque oferecem um serviço mais elaborado, minucioso, certificados e assistência 24 horas. Mais uma vez, para quem gosta e quer, se identifica, se cabe no bolso e está no momento da vida que lhe cai como uma luva, está ótimo, também! Mas para mochileiro, não!

7 – NÃO PRECISA DE GUIA LOCAL? NÃO PRECISA DE TRANSFER?

Precisar não precisa. Mas quem decide isto, novamente, é o perfil do viajante. Tem gente que não quer se perder dentro do Louvre e tem sede pelo saber, sendo que o audioguia e livros não o saciam por completo.

Outros se sentem desconfortáveis com alguém lhe dizendo aonde ir e que horas ir e até curtem se perder, fazendo parte de sua aventura.

Tem gente que tem bastante tempo e outros pouquíssimo tempo. Uns adoram aventuras outros têm medo e desestabilizam. Uns querem apenas fazer selfies na Torre Eiffel, outros necessitam do conhecimento em detalhes.

Tem gente que é mochileiro por natureza e curte subir e descer escadas com as malas pelo metrô. Outros são indiferentes a um taxi ou Uber e há os que fazem questão de um motorista brasileiro lhe aguardando no desembarque. Não dá para dizer o que é melhor. Depende!!!

Faça o que for melhor para você! Isso é tudo! Saiba que há no mercado excelentes e péssimos Agentes de Viagens, excelentes e péssimos transferistas, guias, blogueiros e palpiteiros. Use a sua intuição para discernir. 

  • Antes de fechar o pacote com um guia, peça suas credenciais.
  • Antes de fechar com um transferista, peça suas credenciais. 
  • Para saber sobre documentação exigida olhe no site do Consulado.
  • Para comprar ingressos de passeios olhe o site da atração antes. Muitos são em português.
  • Leia sobre o destino, estude mesmo!
  • Consulte grupos em redes sociais para ter dicas de restaurantes, hotéis, passeios, nunca sobre leis e se houver profissionais nestes grupos observe sua conduta.
  • Consulte um Agente de Viagens. É grátis.
  • Pense em você e no seu perfil!  

Leia também sobre Seguro Viagem


Você gostou desse artigo?

Inscreva-se e receba notícias, dicas, promoções e muito mais!

Cynthia Camargo é publicitária, agente de viagens, agente internacional e jornalista. Coordena viagens de arte, gastronômicas, de luxo e de incentivo pelo o mundo! Especializada no destino França, é autora do guia Paris Legal, editado pela Best Seller. Trabalha com o turismo de conteúdo há 20 anos e recebeu o prêmio Mulher Influente. Autora do blog de viagens SendoCy, conta suas experiências pelo mundo com dicas e muito humor! Acesse, leia e participe, se inscreva e conte suas histórias! Afinal, todo mundo tem uma história de viagem para contar! Google +